BIOCOURO

A INOVAÇÃO EM PELE ECOLÓGICAS

 

PROCESSO PRODUTIVO DA INDÚSTRIA DE CURTUMES

 

 

O processo produtivo da indústria de couro é caracterizado por três fases principais e uma fase de acabamento, em que cada fase tem várias etapas:

 

 

  • Divisão da Flor do Croute
    Divisão da Flor do Croute
  • Escorrimento
    Escorrimento
  • Fulões de Tingimento
    Fulões de Tingimento
  • Escorrer / Estirar
    Escorrer / Estirar
  • Secagem - Vácuo
    Secagem - Vácuo
  • Secagem
    Secagem
  • Lixagem
    Lixagem
  • Lixagem
    Lixagem
  • Amaciamento
    Amaciamento
  • Prensagem
    Prensagem
  • Pintura de Peles
    Pintura de Peles

 

 

 

FASE DA RIBEIRA: esta é a primeira fase a que se submetem as peles e consiste numa sequência de operações em que a pele é preparada para a fase de curtume. A pele é submetida a processos químicos e mecânicos para limpeza e hidratação. Nestas fases processam-se três operações, duas em meio aquoso (dentro de fulões) o molho e o caleiro, e outra de carácter mecânico, a descarna.

Molho: esta operação visa a lavagem do sal usado para a conservação e de impurezas agarradas aos pêlos, e a reposição do teor de água natural da pele fresca.

Caleiro: nesta operação procede-se à remoção de pêlos e ao relaxamento da estrutura fibrosa da pele. Ao mesmo tempo que se procede à depilação, têm lugar processos de inchamento e afloramento da estrutura fibrosa da pele.

Descarna: nesta operação mecânica, realizada em máquina apropriada, são removidos os tecidos adiposos da pele e a matéria subcutânea por acção de um rolo de lâminas.

 

FASE DE CURTUME: nesta fase, as peles provenientes da descarna, são tratadas em meio aquoso de forma a ficarem termicamente estáveis e resistentes à decomposição.

Os processos realizados nesta fase são:

Desencalagem: este processo tem como objectivo a remoção da cal e redução do pH.

Purga é um processo de limpeza da estrutura fibrosa por acção enzimática, ou seja, as enzimas provocam uma degradação parcial das proteínas que não são o colagénio, relaxando a estrutura da pele e eliminando restos de epiderme, pêlo e gorduras.

Piquelagem: este processo pode ser considerado um complemento da desencalagem e a interrupção do efeito enzimático da purga, preparando a pele para a penetração do agente de curtume.

Curtume: é a operação que confere à pele um carácter imputrescível e as propriedades adequadas à sua posterior utilização, em que o agente curtente reage com o colagénio da pele de forma a provocar uma estabilização irreversível.

As peles curtidas ao crómio apresentam a cor azul, e denominam-se de wet-blue.

Escorrimento: é uma operação mecânica realizada após as peles serem descarregadas do fulão, que visa remover o excesso de água dos couros, em máquinas de rolos com feltros.

Divisão e rebaixamento: estas operações são de carácter mecânico que conferem à pele as dimensões adequadas e uniformidade. Na divisão, a pele é dividida em duas camadas, uma interior e de menor valor, e uma exterior. É nesta camada exterior que se encontra a flor da pele e é a zona mais nobre.

O rebaixamento confere à camada exterior, uma espessura uniforme ao longo da pele pelo desgaste realizado por um rolo de lâminas no lado da carne.

 

FASE DE PÓS-CURTUME OU RECURTUME: são realizadas operações em meio aquoso, em que as peles irão obter as características pretendidas, tais como a cor, textura, brilho, etc.

Neutralização ou desacidulação, pois é a etapa de eliminação de ácidos livres existentes nos couros provenientes do curtume mineral ou formados no armazenamento.

Recurtume tem como objectivo conferir ao couro determinadas características, dependendo do artigo a fabricar. Neste processo podem ser usados diversos produtos, mediante o que se pretender obter.

Tingimento é a operação que tem por finalidade dar a cor desejada ao couro, com corantes apropriados, não só na superfície mas também em toda a sua espessura.

Engorduramento tem como finalidade, a incorporação de gorduras na pele, de forma a obter uma lubrificação desta, para conferir maleabilidade, textura e flexibilidade ao mesmo tempo que lhe confere também resistência mecânica ao rasgo e à rotura.

Escorrimento e alisamento: estas operações devem ser seguidas de um repouso das peles, depois de retiradas do fulão, em paletes para que parte da água em excesso saia da pele de forma natural, ajudando assim a fixação dos produtos aplicados em operações anteriores. Estas operações são de carácter mecânico, realizadas em máquinas apropriadas, de forma a atenuar os defeitos e irregularidades da pele, preparando-as para a secagem propriamente dita.

Secagem: nesta etapa, as peles são preparadas para as etapas seguintes de acabamento. Primeiramente as peles são secas em máquinas de vácuo e depois seguem para uma secagem natural ao ar ou então em estufas, sendo um processo de secagem mais acelerado.

 

ACABAMENTO: nesta fase as peles são submetidas a várias operações mecânicas de forma a conferir as propriedades finais desejadas e a eliminar defeitos ainda existentes.

Amaciamento: nesta operação as peles são batidas para obterem maleabilidade, uma vez que ficam mais rígidas depois da secagem.

Aparação, lixagem e prensagem: são operações mecânicas que dão um melhor aspecto as peles e preparando-as para as posteriores operações de acabamento, tais como aplicações de padrões, gravados, serigrafias, etc.